noticias

EVTEA da Hidrovia do Rio Paraguai é apresentado em Mato Grosso

caceres

Segunda, 27 Março 2017

Pesquisadores do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (ITTI) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) apresentaram os resultados do Estudo de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental (EVTEA) da Hidrovia do Rio Paraguai na instalação da Câmara Setorial Temática Hidrovia Paraguai-Paraná realizada em Cáceres, em Mato Grosso. A proposta foi lançada pela Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (ALMT) para acompanhar, discutir e avaliar propostas relacionadas à utilização da Hidrovia Paraguai-Paraná.

O evento realizado nos 23 e 24 de março reuniu autoridades e especialistas brasileiros e da Bolívia, Uruguai, Paraguai e Argentina, países por onde passa a Hidrovia Paraguai – Paraná. O Canal de navegação tem início em Cáceres, e segue por 3.442 quilômetros até Nueva Palmira, no Uruguai, sendo que 1.270 km estão localizados em território brasileiro.

Estudo de viabilidade

O EVTEA foi desenvolvido pela UFPR/ITTI, mediante o Termo de Cooperação com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Os principais resultados dos estudos foram apresentados no evento pela engenheira ambiental Renata Correia, engenheira civil Flávia Aline Waydzik e pelo advogado Rui Alberto Zibetti.

O EVTEA contempla relatórios contendo as análises técnicas, econômicas e ambientais no que dizem respeito à operação, manutenção e melhorias para a Hidrovia, como por exemplo, estudos de dragagem, embarcações homologadas, condições de navegabilidade; movimentação de cargas, implantação de novos terminais hidroviários, caracterização ambiental e a identificação de possíveis impactos ambientais, bem como possíveis medidas compensatórias e mitigadoras.

“O Estudo apontou que, na área técnica, o investimento estimado é de aproximadamente R$10 milhões/ano para a realização das dragagens de manutenção que asseguram a navegação. Além disso, foi proposta a implantação de um novo terminal hidroviário na localidade de Santo Antônio das Lendas, a fim de possibilitar o escoamento da produção local e impulsionar o desenvolvimento da Hidrovia”, explica Renata Correia.

Ainda como resultado do EVTEA, o diagnóstico ambiental demonstrou que os impactos ambientais positivos associados à operação e manutenção da Hidrovia se sobressaem aos impactos negativos. “Sendo assim, a Hidrovia apresenta viabilidade técnica, econômica e ambiental, desde que tomadas as medidas propostas pelo estudo nestas três esferas”, ressalta Flávia Aline Waydzik.

O Estudo foi elaborado por mais de 30 professores, dez pesquisadores e 20 alunos de graduação e pós-graduação de diversas áreas da UFPR/ITTI e gerou, além de metodologias inovadoras, uma série de informações que resultaram em dissertações, teses e artigos científicos apresentados em congressos e publicações em revistas especializadas e periódicas. Os primeiros levantamentos iniciaram em 2014 e resultaram no documento que está em fase de aprovação pelo DNIT.

Evento

Além do Estudo da UFPR/ITTI, o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil apresentou o Plano Hidroviário Estratégico da União que prevê investimentos na hidrovia Paraguai-Paraná. Os Sistemas de Transporte e Intermodalidade – Corredores de transportes em Mato Grosso, foi o assunto trazido pelo professor do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Luiz Miguel de Miranda. Já o professor do Departamento de Geografia da Universidade Estadual de Mato Grosso (UNEMAT), Evaldo Ferreira, apresentou análises estatísticas da região de Cáceres. Outra contribuição favorável à hidrovia foi dada pelo pesquisador do Instituto Histórico e Geográfico de Cáceres, Adilson Reis, quando apresentou a análise histórica do Rio Paraguai.

Assessoria de Comunicação Social (com informações da ALMT)

ITTI – Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura

(41) 3226-6658 | comunicacao@itti.org.br

Matéria original://www.itti.org.br/portal/component/content/article/877-2017-03-27-21-31-51.html